Coisas de Mato Grosso

Cuiabá, 22 de Outubro de 2.017

Preencha os dados e assine nossa Newsletter:

Newsletter

Conheça Mato Grosso!

Saiba mais sobre Mato Grosso e suas cidades.

Clique

Prev Next

Mato Grosso / Nosso Estado

Artigos / Crônicas

Conferindo Mato Grosso


Tetela Pinho 

Casa Militar


O “jeito” Maggi de governar tem feito de Mato Grosso um Estado sem fronteiras. Cada pedaço desse chão tem sido percorrido ao longo desses seis anos e meio de governo. Estradeiros, estradeirinhos ou simples viagens, o certo é que esse é um governo que vai de perto conhecer o Estado que administra e os serviços que executa. A palavra de ordem aqui é: “Confere!”.

E, foi para conferir que semana passada, o governador Blairo Maggi determinou que alguns membros do primeiro escalão visitassem na região Oeste do Estado, obras em andamento e tantas outras entregues, para verificar o padrão de qualidade e, se a execução dos serviços está de acordo com o que foi contratado.

Pela primeira vez, desde que estou no governo, acompanhei a comitiva para esse tipo de trabalho. Devo admitir que haja “pique” pra sair com esse povo. As visitas não se restringem a um simples aperto de mão, com o registro fotográfico do “estivemos aqui”. Eumar Novacki, da Casa Civil, Diógenes Curado, da Justiça e Segurança Pública e Alexander Maia da Casa Militar, procuravam se inteirar de tudo e observavam cada detalhe.

“Vistoriamos para poder entregar”, comentou comigo o coronel Maia que orgulhoso ainda fez questão de afirmar enquanto visitávamos o Gefron que “Mato Grosso tem sido referência na atuação do Grupo Especial de Segurança de Fronteira servindo de modelo para o programa nacional Pefron que abrange desde o Estado do Rio Grande do Sul ao Amapá”.

Com o pé novamente na estrada seguimos em frente. Apesar do sol escaldante, já havíamos visitado só nesse dia, as instalações do Centro Socioeducativo de Cáceres, a sede do Gefron, em Porto Esperidião e suas bases fixas no Limão e na Corixa última divisa do Estado com a Bolívia.

Nosso destino agora era Pontes e Lacerda. Cerca de 10 km da entrada da cidade mais uma parada para vistoria – ali está a obra do Centro de Detenção Provisório, obra prevista para ser entregue ainda em novembro deste ano. De lá seguimos para o Cisc - Centro Integrado de Segurança e Cidadania daquele município, onde a visita só foi de cortesia.

Em Lacerda o vice-governador Silval Barbosa e o secretário Ságuas da Educação se juntaram à comitiva. Cumprindo a ordem governamental de “vistoriar para poder entregar” percorremos escolas, conferimos quadras e salas de aulas construídas e /ou reformadas -. “Temos a meta de entregar 100% das escolas estaduais reformadas e ampliadas até o fim de 2010. O governador Blairo Maggi tem se preocupado com investimentos nessa área por entender que a Educação é o pilar para o desenvolvimento social”, disse Silval Barbosa ao lembrar que o Estado tem, hoje, aproximadamente 700 escolas estaduais sendo que destas, 120 foram construídas neste governo.

Missão cumprida em Pontes e Lacerda, seguimos para o município Vale do São Domingos.

Cidade de apenas cinco mil habitantes e com dez anos de emancipação, São Domingos se orgulha de “já” ter um hotel. “Fizemos questão de vir prestigiar essa visita em reconhecimento ao que este Governo tem feito pelo Vale do São Domingos. Há dez anos não havia nada aqui, hoje, por exemplo, graças à abertura de estradas temos até um hotel aqui, coisa que antes não tinha”, comentou uma moradora.

Esse comentário mexeu com as minhas emoções. Fechei os olhos e naquele instante pude rever “pegadas” que deixei pela região na minha adolescência. Só quem viveu num Mato Grosso sem estradas, sem telefone, sem luz elétrica, sabe o que significa TER ATÉ UM HOTEL em seu município.

Passamos em Jauru onde visitamos a cadeia pública, a sede da APAE, e onde o secretariado se reuniu com pais de alunos, alunos e professores da rede estadual que reivindicaram a construção de uma nova escola.

Prosseguimos a missão. A viagem seria finalizada com a vistoria do andamento das obras de asfalto da MT 352, que beneficiará nove municípios que integram a região.

Mais uma vez fechei os olhos e deixei-me sucumbir por fortes emoções. Lembrei-me de meu pai, engenheiro formado pelo Mackenzie cuja família chegou a Mato Grosso em 1725. (Antonio de Pinho Azevedo, sertanista que veio a mando do rei de Portugal e aqui em Cuiabá se casou com Dorotéa dos Prazeres, foi quem deu início aos Pinhos do Estado e quem me fez ser bem mato-grossense). Lembrei-me de nossa fazenda no Jauru e de nosso retorno à Mato Grosso em 74 quando papai veio assumir em Cáceres a secretária de Viação e Obras Públicas. Lembrei-me da conversa que tive por telefone no ínicio desse ano com o governador Pedro Pedrossian quando falamos de um Mato Grosso que ficou lá atrás e da saudade que ambos sentíamos de meu pai (Pedrossian e papai eram amigos de uma vida!).

Olhei novamente para a paisagem à minha volta e sorri!

Vendo a estrada, o progresso que chegou à região, pude entender o que Maggi quis dizer quando afirmou em 2004 que “Governar é realizar sonhos, é fazer a esperança se transformar em realidade” Ali estava meu sonho concretizado. O sonho do meu pai e todos os mato-grossenses que carregaram nos ombros a dor da saudade quando tinham que sair para estudar fora e ficavam o ano todo distante pela falta de estrada e, quando uma carta levava meses para encontrar seu destino.


Seguimos de volta à Cuiabá.

Fazendo minhas as palavras do Maia, chefe da Casa Militar – missão cumprida, CONFERIMOS!

Maria Stella Tegon de Pinho – jornalista, historiadora e bacharel em direito, foi diretora do Arquivo Público de Mato Grosso e integra a equipe da Casa Militar.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Otimismo em Alta

Pedro Nadaf


O sentimento da classe empresarial mato-grossense em relação ao momento econômico neste semestre é o reflexo do que a mesma viveu nos primeiros seis meses do ano. Ou seja, o futuro é construído dentro da realidade de mercado. Quando se está na crise, ou se vislumbra um processo de crise, o pessimismo geralmente dá lugar ao otimismo.

Nesta semana, o levantamento conjuntural, referente às expectativas empresariais do segundo semestre de 2009, elaborado pelo Departamento de Pesquisas Econômicas da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Mato Grosso (Fecomércio/MT), legitima o que estou dizendo, afinal revela um elevado grau de otimismo. Para que se tenha uma ideia, no que se referem aos crescimentos do país e de Mato Grosso, os percentuais das respostas positivas tiveram uma média de 30% de elevação.

Todos devem se lembrar, mesmo porque é muito recente, como se encontrava o mercado no início deste ano. Diante da possibilidade da crise internacional afetar a nossa economia, o clima entre os empresários do comércio e serviços era de muita cautela. Os reflexos puderam ser sentidos na pesquisa de expectativas da Fecomércio/MT, relativa ao primeiro semestre, quando foi registrado que caíram os percentuais dos que acreditavam em crescimento, tanto do Brasil, quanto de Mato Grosso, praticamente nos mesmos índices de 30%, só que no inverso da situação. Ou seja, de 81% dos que estavam otimistas em relação ao país no segundo semestre de 2008, o pessimismo puxou para 51%. O mesmo aconteceu no estado, de 86%, com a redução foi para 55%. Se for analisado na comparativa dos percentuais, outros quesitos da pesquisa de expectativas da classe empresarial mato-grossense, pode se verificar que se mantém tal reflexo no sentimento dos empresários.

O mercado de trabalho ficou com percentual positivo elevado, na ordem de 10% acima do registrado no levantamento do início do ano. Na manutenção da estabilidade econômica, por exemplo, no segundo semestre de 2008 o percentual positivo era de 85%%, aliás, índice que praticamente vinha se mantendo desde o segundo semestre de 2006. Na pesquisa do início do ano, o grau de otimismo neste item, caiu para 69% e está se erguendo no segundo semestre, com 76%, já que a crise internacional tão temida, praticamente não chegou ao estado. Em síntese, nosso mercado está estável e a tendência é de se manter elevada as boas expectativas. Para se ter uma idéia, 90% dos entrevistados não acreditam que a inflação passará de 6% neste ano, sendo que mais da metade destes são da opinião que a mesma ficará de 0 a 3%.

Outros fatores positivos estão na esteira do crescimento mato-grossense, a exemplo de novas plantas comerciais e novos empreendedores apostando no estado. Vale citar ainda como fator positivo do progresso o bom desempenho das nossas exportações, sendo que Mato Grosso foi o único estado que manteve o processo de crescimento, saiu da 11º lugar do ranking para a 5ª colocação.

Embora não fosse apresentado na pesquisa, também vale citar a elevação das vendas no primeiro semestre. O crescimento foi de 8%, tomando-se por base o mesmo período de 2008. Poucos estados tem este privilégio. O Dia dos Pais também terá um reflexo positivo para o segundo semestre, pois as vendas devem crescer neste mês 2%. Vamos, portanto, continuar a acreditar no desenvolvimento mato-grossense e aproveitar para crescer com o estado. Otimismo avante!

Pedro Nadaf é secretário de Estado de Indústria, Comércio, Minas e Energia e presidente do Sistema Fecomércio/Sesc/Senac-MT. E-mail: p.nadaf@terra.com.br